Evento Especial














11 de setembro de 2003
BOOKCROSSING EM SÃO PAULO
Livros para todos

O Literaturaonline registrou, no dia 11 de setembro, algumas das iniciativas de “bookcrossing”, ou troca de livros, incentivada no Brasil e no mundo por meio da internet ...
“Bookcrossing” é o ato de democratizar a leitura por meio de seu objeto mais importante: o livro. Funciona assim: uma pessoa deixa um livro em algum local público (praças, metrôs, museus, restaurantes, cafés e outros), com uma etiqueta ou dedicatória que indique que aquele é um livro gratuito, que pode ser levado por qualquer pessoa para ser lido. Depois, quem pegou o livro também passa a fazer parte da corrente, deixando o mesmo ou outro livro em algum local público, para que outra pessoa seja presenteada.
O dia 11 de setembro de 2003 foi escolhido para “oficialmente” dar o pontapé inicial desta prática no Brasil – já existem “bookcrossers” brasileiros, o que se pode conferir no site www.bookcrossing.com.
Literaturaonline convidou e registrou a participação de cinco personalidades notáveis e de notória dedicação aos livros para, em lugares escolhidos por eles, e deixarem livros de
sua escolha, com dedicatórias, para transeuntes desconhecidos.
José Mindlin, Tatiana Belinky, Marcelino Freire, Sergio Dávila, Juca Varella e Mary Lou Paris aceitaram nosso convite e foram fotografados espalhando livros pela cidade de São Paulo. Nas fotos os gestos simples, porém de grande atitude.
Optamos por não acompanhar o desenrolar dessa história (saber quem pegou os livros) para manter a espontaneidade e reforçar a atitude de doar para o planeta. Acreditamos que essa contribuição pode – e deve – ser feita por qualquer um, para qualquer um, e que toda pessoa pode e tem o direito de se apropriar de um livro abandonado com essa finalidade, como se fosse um presente.
Mas a mobilização não deve se resumir apenas ao 11 de setembro. Trocar livros deve, a partir de agora, fazer parte da vida dos brasileiros que amam a literatura e o livro, e acreditam que é só a partir da democratização deste objeto (e de seu conteúdo) que o Brasil pode ser melhor.
Texto: Renata Albuquerque
Reportagem e Fotos: Homero Sergio
José Mindlim doou o livro RASM, Revista Anual do Terceiro Salão de Maio, de 1939, que inclui o manifesto de Flávio de Carvalho
Na dedicatória, ele escreveu: "Espero que alguém que encontre este livro, goste dele, e também deixe um livro em algum lugar para outra pessoa encontrar"
José Mindlim deixa o livro no canteiro do prédio
na região dos Jardins às 13hs
A escritora Tatiana Belinky, 84 anos, doou o livro Combati o Bom Combate, de Ary Quintella
Ela escreveu: "Para o 'encontrador' ou 'encontradora' deste bom livro, de um bom autor, com meu voto de boa leitura e o meu abraço."
Tatiana Belinky doa o livro durante a feira Saber 2003, onde deu uma palestra sobre leitura.
Os jornalistas Juca Varella e Sergio Dávila participaram do evento a convite do literaturaonline e deixam um exemplar do livro Diário de Bagdá, num banco da praça Vilaboim, na manhã do dia 11 de setembro. Fotos: Juca Varella.
"ADOTE ESTE LIVRO - Que este 11 de setembro seja lembrado como o dia da doação, da troca de energia e da generosidade.  Lendo sobre a guerra, divulgue a paz!"
Sergio Dávila deixou também um exemplar do livro Nova York
O escritor pernambucano Marcelino Freire escolheu o orelhão em frente a FNAC Pinheiros, às 14hs para doar um livro
"Aí está. É seu. Um livro de um dos melhores escritores desse país, para você sim. Pode levar o Jamil para casa. E o meu abraço também, invisível."
Marcelino deixou no orelhão o livro Como Tornar-se Invisível em Curitiba, de Jamil Snege
Mary Lou Paris, diretora da Editora Terceiro Nome doa o livro Allegro, de Fernando Portela
"De agora em diante, que o 11 de setembro seja, no mundo inteiro, um dia de riso, de amor, de bom humor e de alegria. Porisso deixo para você, leitor(a) desconhecido(a) um livro-símbolo do bom humor que este Allegro que acaba de ser lançado. Boa Leitura, muitas allegrias"
Mary Lou Paris deixa o livro num banco da praça no alto da Boa Vista.
Homero Sergio de Moura é Jornalista, Editor, Repórter Fotográfico. Trabalhou na Folha de São Paulo, O Globo do Rio de Janeiro, Revista Isto É e Diário Popular.
Free-lancer: atualmente atua junto às assessorias de imprensa, editoras e Organizações do Terceiro Setor.
e-mail: homero.sergio@terra.com.br
Renata de Albuquerque é jornalista formada pela Faculdade de Comunicação Cásper Líbero e atua como free lancer em publicações da área cultural. Trabalha com literatura desde 2000. Além de escrever no site Literatura on Line, colabora com outros veículos, como a revista CULT e o site Capitu. Foi jornalista responsável pela revista Insight (sobre psicanálise) e editora-assistente da revista Seasons (para mulheres maduras).
e-mail:
realbuquerque@uol.com.br