EVENTO LITERÁRIO













































04 de novembro de 2003
PRÊMIO PORTUGAL TELECOM DE LITERATURA BRASILEIRA
EDIÇÃO 2003
SALA SÃO PAULO - ESTAÇÃO DA LUZ

A noite de gala da literatura brasileira

Terça-feira fria para uma noite de primavera em São Paulo. Até por isso, a entrega do Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira mobilizou casacos dos armários mais badalados da cidade. Esperando ansioso, do lado de fora para entrar na Sala São Paulo, um grupo de pessoas que reunia escritores e autoridades. Algum tempo depois, já abrigados do frio dentro do salão, misturavam-se políticos, atores, atrizes, músicos, poetas,jornalistas, prosadores e críticos de arte. Uma festa de gala para a literatura brasileira que não deixou de reverenciar a escritora Rachel de Queiroz.
Naquela noite, as celebridades se reuniram ao redor da literatura, a razão principal da festa. O presidente da Portugal Telecom, Eduardo Correia de Mattos, foi um dos grandes destaques do evento, com seu leve bom-humor que transformou imprevistos em momentos divertidos para a grande platéia. O atraso para o início da cerimônia, por exemplo, foi explicado com um rápido e simpático discurso.
O empate no primeiro lugar (entre Bernardo Carvalho e Dalton Trevisan, por “Nove Noites” e “Pico na Veia”, respectivamente) deixou confusos os apresentadores Christiane Torloni e Raul Cortez, que acompanhavam a apuração “voto a voto” dos jurados, junto com a platéia, em um telão, como acontece com as escolas de samba no Carnaval.
Tudo devidamente esclarecido depois por Correia de Mattos. Carvalho e Trevisan dividiram os R$100 mil destinados ao primeiro lugar. “A Regra Secreta”, de Sebastião Uchoa Leite, ficou com o segundo lugar (R$30 mil) e Mário Chamie levou R$20 mil pelo terceiro lugar conquistado com seu “Horizonte de Esgrimas”.
Bernardo Carvalho, por sinal, ficou visivelmente surpreso ao saber que sua obra havia sido vencedora. Disse ao Literatura On Line que “estou nervoso e não sabia bem o que fazer” naquele momento. O outro vencedor, Dalton Trevisan, não compareceu, fazendo jus ao seu já conhecido apelido de Vampiro de Curitiba.
Já Ignácio de Loyola Brandão estava lá, mas parece que o júri esqueceu-se de seu “O Anônimo Célebre” (Global), que estranhamente não recebeu um único voto.
Entre a abertura dos sete envelopes que decidiram os vencedores do concurso, houve números musicais e leitura de trechos literários pelos apresentadores. O grande destaque da noite, Cauby Peixoto, ganhou a platéia e foi aplaudido longamente, depois de uma impecável apresentação.
Poucas vezes a literatura brasileira presenciou uma festa tão badalada (e merecida). Correia de Mattos falou ao site e reafirmou seu contentamento com o sucesso do evento. Confira a seguir as imagens da festa.

Reportagem: Homero Sergio e Renata Albuquerque
Fotos: Homero Sergio
Sala São Paulo - local do jantar
Luiz Melodia
Céline Imbert
Virgínia Rosa
Wanderléa
Cauby Peixoto
Cauby Peixoto se apresenta cantando 'Último Desejo'
Wanderléa, Eduardo Dusek, Ione Papas, Cauby, Melodia, Virgínia, Céline e Emílio Santiago
A prefeita Marta Suplicy
Raul Cortez e Christiane Torloni
Mário Chamie, autor de 'Horizonte de Esgrimas'
Chamie recebe o prêmio de Claudia Costim
Os ganhadores dos prêmios
Bernardo Carvalho e Eduardo Correa de Matos
Eduardo Correa de Matos
Eduardo Correa de Matos, Regina Duarte
Luiz Favre, Marta Suplicy e Eduardo Correa de Matos
O autor de Nove Noites, Bernardo Carvalho e o editor da Cia. das Letras
Mindlin, Pedro Herz, , Pedro Correa do Lago e Eduardo Correa de Matos
Maria Adelaide Amaral, José Mindlin e a prefeita de São Paulo

"Europa, França e Bahia"

Meus olhos brasileiros sonhando exotismos
Meus olhos brasileiros se enjoam da Europa ...
... no túmulo de Lenin, em Moscou, parece que um coração enorme está batendo, batendo,
mas não bate igual ao da gente ...
Chega !
Meus olhos brasileiros se fecham saudosos. Minha boca procura a 'Canção do Exílio'.
'Como era mesmo a Canção do Exílio ?'
Eu tão esquecido da minha terra ...
Ai terra que tem palmeiras onde canta o sabiá!

Carlos Drummond Andrade
(Alguma Poesia, 1930) - Obra Completa


Renata de Albuquerque é jornalista formada pela Faculdade de Comunicação Cásper Líbero e atua como free lancer em publicações da área cultural. Trabalha com literatura desde 2000. Além de escrever no site Literatura on Line, colabora com outros veículos, como a revista CULT e o site Capitu. Foi jornalista responsável pela revista Insight (sobre psicanálise) e editora-assistente da revista Seasons (para mulheres maduras).
e-mail:
realbuquerque@uol.com.br
Homero Sergio de Moura é Jornalista, formado pela faculdade Cásper Líbero, Editor, Repórter Fotográfico. Trabalhou na Folha de S. Paulo, O Globo do Rio de Janeiro, Revista Isto É e Diário Popular. Free-lancer: atualmente atua junto às assessorias de imprensa, editoras e Organizações do Terceiro Setor.
e-mail: homero.sergio@terra.com.br